logo LEEV

ESCORPIÕES DO BRASIL

Espécies de importância em saúde, causadoras de acidentes graves em humanos no Brasil.

O escorpionismo é um importante problema de saúde pública no Brasil, uma vez que algumas espécies de escorpiões podem causar envenenamento grave, principalmente em crianças. Conhecer as principais espécies que causam acidentes graves e onde ocorrem é fundamental para se tomar medidas profiláticas para se evitar acidentes por essas espécies. A identificação das espécies também é importante para que ocorra o tratamento médico adequado.

O Ministério da Saúde reconhece 4 espécies de escorpiões como causadoras de acidentes graves no Brasil, todas pertencentes à Família Buthidae e ao gênero Tityus, que podem ser reconhecidas pelas características abaixo:

Escorpião-amarelo (Tityus serrulatus) – alcançam até 7 cm de comprimento. São caracterizados pelo colorido amarelado dos palpos, pernas e cauda. A cauda tem uma mancha escura na região ventral do último segmento. O corpo é escuro, sem manchas ou faixas. A cauda apresenta uma série de espinhos ou dentes nos dois últimos segmentos e o tubérculo subaculear (semelhante a um espinho) está sempre presente, junto ao ferrão. Essa espécie é provavelmente originária do estado de Minas Gerais, porém ampliou bastante sua distribuição nas últimas décadas e foi introduzida em várias cidades, algumas delas distando centenas de quilômetros de sua distribuição original. É uma espécie que se adaptou muito bem a viver nas áreas urbanas e periferias das grandes cidades. Se reproduz principalmente por partenogênese, processo pelo qual não há necessidade de encontro com os machos, que são muito raros e ocorrem apenas em algumas regiões do Brasil. É a principal espécie causadora de acidentes no Brasil, muitos dos quais graves, principalmente em crianças.

Link com Foto de Tityus serrulatus

Escorpião-marrom (Tityus bahiensis) – alcançam até 7 cm de comprimento. São caracterizados pelas pernas castanhas com manchas escuras, e principalmente, pela presença de uma mancha escura nos palpos. Ao contrário do Tityus serrulatus e Tityus stigmurus, a cauda é lisa, sem espinhos ou dentes nos dois últimos segmentos da cauda. O tubérculo subaculear (semelhante a um espinho) está sempre presente, junto ao ferrão. Essa espécie é comum nos estados de São Paulo e Minas Gerais, com registros para os estados da Bahia, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Era a principal espécie causadora de acidentes no estado de São Paulo, mas vem sendo substituída pelo Tityus serrulatus em muitas regiões do estado.

Link com Foto de Tityus bahiensis

Os machos de Tityus bahiensis apresentam as quelas (mãos) mais engrossadas do que as fêmeas (seta azul). E nos jovens a cauda não é tão escura quanto nos adultos (embaixo, à esquerda).

Link com Foto de Tityus bahiensis macho e jovem

Escorpião-amarelo-do-nordeste (Tityus stigmurus) – alcançam até 7 cm de comprimento. São caracterizados pelo colorido amarelado dos palpos, pernas e cauda e uma mancha escura na região ventral do último segmento. O corpo é castanho claro com uma mancha central preta que se estende por todo o dorso. Na região da cabeça há uma mancha preta de formato triangular. A cauda apresenta uma série de espinhos ou dentes nos dois últimos segmentos, semelhantes aos encontrados em Tityus serrulatus, porém menores. O tubérculo subaculear (semelhante a um espinho) está sempre presente, junto ao ferrão. Essa espécie é amplamente distribuída pelo Nordeste do Brasil, com registros para os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe. Foi introduzida na Ilha de Fernando de Noronha e na capital de São Paulo. Assim como Tityus serrulatus, se adaptou muito bem em áreas urbanas e também pode se reproduzir por partenogênese, processo pelo qual não há necessidade de encontro com os machos, que são muito raros e ocorrem apenas em algumas regiões do Brasil.

Link com Foto de Tityus stigmurus

Escorpião-preto-da-amazônia (Tityus obscurus) – alcançam até 9 cm de comprimento. São caracterizados pelo colorido preto ou castanho escuro em todo o corpo. O tubérculo subaculear (semelhante a um espinho) está sempre presente, junto ao ferrão. Essa característica é muito importante para diferenciá-los de outros escorpiões inofensivos que são comuns na região amazônica. Os jovens possuem manchas escuras sobre fundo claro ou amarelado, confundindo-os com outras espécies da mesma região onde ocorrem. São tipicamente amazônicos com registros para os estados do Pará e Amapá. Porém, existem diversas espécies aparentadas que ocorrem no estado do Pará e em estados vizinhos e que são muito semelhantes no tamanho e na coloração. Os machos apresentam as quelas (mãos) mais finas do que as fêmeas.

Link com Foto de Tityus obscurus

Os jovens de Tityus obscurus e outras espécies próximas se assemelham muito a adultos de outras espécies de Tityus que não são causadoras de acidentes graves, como o Tityus silvestris, que vivem nas mesmas regiões da Amazônia. Ambas apresentam tubérculo subaculear junto ao ferrão e o corpo marrom-amarelado com muitas manchas escuras. Eles podem ser distinguidos pelo formato do tubérculo subaculear. Nos Tityus obscurus e espécies aparentadas, como o Tityus metuendus, elas são espinóides (formato semelhante a um espinho). Nos Tityus silvestris e outras espécies aparentadas, elas são rombóides (largas).

Link com Foto de Tityus obscurus jovens

Informações sobre tratamento de acidentados por escorpiões podem ser obtidos no Manual de Diagnóstico e Tratamento de Acidentes por Animais Peçonhentos do Ministério da Saúde, que pode ser baixado pelo site:

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_diagnostico_tratamento_acidentes_animais_peconhentos_2ed.pdf

Informações sobre controle de escorpiões podem ser obtidos no Manual de Controle de Escorpiões, produzido pelo Ministério da Saúde, e que pode ser baixado pelo site:

https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_controle_escorpioes.pdf



Citação sugerida:
Bertani R1, Giupponi APL2, Moreno-Gonzáles JA3. 2021. Escorpiões do Brasil - lista dos gêneros e espécies de escorpiões registrados para o Brasil (Arachnida, Scorpiones). Versão 1.0. On-line at http://www.ecoevo.com.br/escorpioes.php
1 – Instituto Butantan, Laboratório de Ecologia e Evolução
2 – Fundação Oswaldo Cruz, Instituto Oswaldo Cruz, Laboratório Referência Nacional em Vetores das Riquetsioses - LIRN/IOC
3 – Instituto de Biociencias, Universidade de São Paulo (IB-USP), São Paulo, Brasil